No lugar das cinzas surgiu a palha: impactos e resultados das quatro safras do Projeto Sucre

Resultados demonstram implicação dos resíduos da cana no campo; Grupo Zilor já adotou mudanças estratégicas

Com a adoção da mecanização da colheita, as queimadas dos canaviais praticamente chegaram ao fim em diversas regiões do Brasil.

No lugar das cinzas, surgiu a palha. Composta por folhas secas, folhas verdes e ponteiros, ela fica no campo e cabe a cada empresa definir como aproveitar o novo produto.

A princípio, a palha pode ser utilizada para a produção de etanol de segunda geração e, mais comumente, na cogeração de energia, com a queima da biomassa. Sendo assim, sua retirada parecia adequada – mas surgiu a dúvida sobre a influência que essa remoção poderia ter na qualidade do solo e no cultivo da cana-de-açúcar.

O pesquisador do Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE), que integra o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), e líder da equipe que realiza os estudos agronômicos do Projeto Sucre (Sugarcane Renewable Electricity), João Luis Nunes Carvalho, realizou um estudo com a intenção de responder a essas dúvidas. Na opinião dele, a remoção de palha deve avaliada com cautela, pois em diversas condições esta prática talvez não seja a melhor alternativa para as usinas.

A equipe liderada por Carvalho está realizando experimentos desde 2013 e já acompanhou o resultado de quatro colheitas. Atualmente, são conduzidos 26 estudos entre São Paulo e Goiás. Além disso, a análise é feita em locais sem palha e em áreas com diferentes quantidades do resíduo, sendo que os resultados são acompanhados ano a ano.

A nível nacional há aproximadamente 251 milhões de toneladas de residuos culturais espalhados nas plantações, sendo que, deste total, 80 milhões de toneladas são relacionadas à palha de cana-de-açúcar. Assim, o questionamento sobre o manejo mais adequado atinge todo o país.

Em uma apresentação de resultados feita por Carvalho, ele traz suas conclusões referentes à influência da palha no solo, no controle de pragas e nos impactos ao meio ambiente, considerando diferentes condições de produtividade. Além disso, o Grupo Zilor também compartilhou sua relação estratégica com a opção por retirada ou manutenção da palha no campo.

O texto acima é apenas uma breve introdução. Para ver esta página completa clique aqui e assine.

exclusivo assinantes

O texto completo desta página
está disponível apenas aos assinantes do site

veja como é fácil e rápido assinar

Etanol e Cana direto em seu email

Antes de sair, cadastre-se para receber as principais notícias do setor
Obrigado, não quero ficar informado.
Esqueci minha senha close modal