Crescimento do consumo global de açúcar pode cair de forma acelerada, analisa Rabobank

O mercado de açúcar está acostumado com a crescer entre 1,5% e 2% ao ano, o que representa um adicional de cerca de 3 milhões de toneladas por ano. O crescimento continuará, porém, conforme analisa o Rabobank, o ritmo tradicional está cada vez mais ameaçado

Olhar para o futuro do comércio de açúcar envolve entender as lógicas das flutuações vistas no passado e, a partir das tendências observadas, apostar em cenários prováveis. Embora muitas companhias brasileiras estejam prestando atenção apenas no curto prazo – seja por cautela, seja pelo alto endividamento –, trabalhar com um período de tempo mais longo pode ser o diferencial que garantirá a sobrevivência nos negócios.

Especificamente em relação ao mercado internacional de açúcar, o Rabobank realizou uma análise que envolve o consumo per-capita do adoçante e a evolução do produto interno bruto (PIB) per capita dos países. A partir das mudanças observadas de 2000 a 2015 e das tendências econômicas, o banco holandês traçou um panorama para o consumo de açúcar até 2030.

“A perspectiva para o uso industrial de açúcar em mercados emergentes é a chave”, aponta o Rabobank. De acordo com o relatório, apenas esse segmento corresponde a 47% do consumo total de açúcar. Considerando todo o globo, comidas e bebidas processadas equivalem a 63% do consumo.

Por meio de gráficos elaborados pelo novaCana.com, entenda como esse mercado foi alterado em diversos países de acordo com o cenário econômico e o que indicam as projeções do Rabobank para 2030.

O texto acima é apenas uma breve introdução. Para ver esta página completa clique aqui e assine.

exclusivo assinantes

O texto completo desta página
está disponível apenas aos assinantes do site

veja como é fácil e rápido assinar

Etanol e Cana direto em seu email

Antes de sair, cadastre-se para receber as principais notícias do setor
Obrigado, não quero ficar informado.
Esqueci minha senha close modal