Curiosidades sobre o etanol

  1. O etanol é uma substância altamente energética. Meio litro de uísque, por exemplo, contém cerca de 1650 kilocalorias, quase metade da necessidade diária média de um homem adulto (3300 kilocalorias). Povos antigos, como os sumérios, utilizavam a cerveja como fonte cotidiana de alimentação, consumindo o produto em uma espécie de pão líquido.
  2. Apesar de ser a melhor matéria-prima do etanol, a cana-de-açúcar produz muito menos etanol que o milho por peso. Uma tonelada da planta produz entre 85 e 90 litros de álcool, enquanto a tonelada do milho rende mais de 400 litros. A vantagem da cana deve-se ao custo e à facilidade em quebrar suas moléculas de açúcar. Em média, a fermentação do açúcar da cana leva de 10 a 12 horas, enquanto o milho demora de 38 a 45 horas. Outra vantagem é que um hectare de plantação de cana-de-açúcar produz em média 80 toneladas do produto, enquanto a mesma área de plantação de milho produz apenas de 15 a 20 toneladas.
  3. O etanol é combustível veicular de mais de 40 países, que o utilizam principalmente misturando o líquido à gasolina. A maior proporção do combustível no exterior ocorre na Suécia, que usa 95% de etanol (E95) nos tanques de alguns ônibus do transporte público. O Brasil até hoje é o único país que utiliza etanol hidratado puro (E100) como combustível.
  4. Além dos automóveis, o etanol também pode ser combustível de motocicletas, caminhões, ônibus e até de avião. Desde 2007, as aeronaves Ipanema da Embraer, usadas na agricultura, possuem modelos que operam a álcool.
  5. São Paulo e Curitiba utilizam etanol como combustível no sistema de transporte público nas cidades. Na capital paulista, cerca de 60 ônibus são movidos a etanol E95, enquanto na cidade paranaense são aproximadamente 20 veículos abastecidos com uma mistura de 8% de etanol com o diesel (MAD8).
  6. O frio é um dos grandes "inimigos" da consolidação do etanol no mercado. Abaixo de 13 ºC (ponto de fulgor do etanol), o álcool perde sua capacidade de gerar combustão, ficando inutilizável como combustível. Entretanto, esse problema se torna cada vez menor com sistemas de partida a frio cada vez mais sofisticados. O meio mais comum de gerar partida a frio é injetando gasolina aditivada no motor.
  7. Além do etanol e açúcar, a cana-de-açúcar produz vários tipos de produtos. Do gás carbônico, oriundo da fermentação, surge o gás utilizado na fabricação de refrigerantes. A vinhaça, resíduo pastoso derivado da destilação, vira adubo ou fertilizante. Já o bagaço da cana pode servir para alimentar animais e fabricar papel, além de gerar calor e energia elétrica.
  8. O bagaço da cana-de-açúcar, subproduto da fabricação de etanol, é hoje uma grande fonte de energia elétrica alternativa. Em 2010, esse tipo de bioeletricidade compôs cerca de 5% do abastecimento elétrico do país, sendo a segunda maior fonte de energia renovável, atrás apenas das hidrelétricas. Atualmente, a energia do bagaço da cana já produz a média anual do que produziria belo Monte (cerca de 4500 MW), com projeções de que até 2021 o aproveitamento seja 3 vezes maior.
  9. Em quase 35 anos de utilização como combustível puro, o etanol oscilou entre a quase exclusividade em relação à gasolina e à completa extinção. Surgindo em 1979, bastou apenas 4 anos para ele igualar a gasolina na preferência dos veículos novos. Em 1985, o etanol atingiu seu pico, com cerca de 90% dos carros novos sendo movido por ele. Porém, no fim da década, o preço do petróleo diminuiu, e a gasolina ultrapassou o álcool em 1990. Entre 1996 e 2002, foi praticamente 0% a quantidade de veículos novos movidos a etanol. O combustível só ressurgiu em 2003, com a chegada dos motores bicombustível. Desde 2005, a venda de automóveis total flex predomina, com cerca de 85% dos carros saídos de fábrica possuindo esse sistema.
  10. Embora se diga que o Brasil é o único país que usa 100% etanol no combustível, tecnicamente a proporção é de até 96%. Isso ocorre porque o álcool combustível utilizado é o etanol hidratado, que possui cerca de 5% de água e o restante de álcool puro. Álcool 100% puro, na verdade, é muito raro, pois até mesmo o álcool anidro, misturado à gasolina, pode ser utilizado a partir de 99,6% de teor alcoólico.
  11. O etanol reduz em mais de 70% a emissão de gás carbônico (CO2) se comparado à gasolina, contando o ciclo total do produto (da fabricação ao escapamento do motor). O grande fator disso é que o etanol é produzido por uma planta, que na fotossíntese absorve o gás carbônico da queima do produto que ela própria foi matéria-prima. Se comparar todos os gases do efeito estufa, como o metano e o óxido nitroso, a redução atinge quase 90%.
  12. O Brasil e os Estados Unidos, juntos, produzem cerca de 90% de todo o etanol consumido no mundo. A estimativa é que a safra 2011/12 no país da América do Norte tenha gerado 58 bilhões de litros do produto, cerca de 60% a mais que a produção brasileira estimada em 22 bilhões no mesmo ano-safra. A produção mundial está estimada em mais de 85 bilhões de litros.
  13. A cana de açúcar não é vendida por tonelada, mas pelo açúcar total recuperável (ATR) em cada tonelada de cana-de-açúcar. Isso significa que o preço do produto se baseia no que há efetivamente de açúcar na cana, rejeitando a quantidade de água, fibra e outros elementos. No estado de São Paulo, que produz cerca de 60% de todo o etanol brasileiro, a produção de etanol hidratado por tonelada de cana-de-açúcar é calculada pela fórmula EH = 0,59126 x ATR, enquanto a do etanol anidro segue EA = 0,56654 x ATR.
  14. Mesmo o Brasil sendo o maior produtor mundial de cana-de-açúcar, o produto ocupa apenas 1,5% das terras agricultáveis do país.
  15. O Brasil utiliza o etanol combustível desde 1938, quando um decreto-lei obrigou a mistura do álcool à gasolina. O primeiro carro 100% a álcool surgiu em 1979.

Etanol e Cana direto em seu email

Antes de sair, cadastre-se para receber as principais notícias do setor
Obrigado, não quero ficar informado.
Esqueci minha senha close modal