A produção de cana-de-açucar no Brasil (e no mundo)

Em termos regionais, o Brasil apresenta dois períodos distintos de safra: de setembro a março no Norte-Nordeste, e de abril a novembro no Centro-Sul. Assim, o país produz etanol durante praticamente o ano todo, apesar de a produção de etanol na região Norte-Nordeste ser de apenas 10% do total nacional, que foi de 22,5 bilhões de litros em 2007. As melhores destilarias produzem aproximadamente 85 litros de etanol anidro por tonelada de cana. As usinas têm produção em torno de 71 kg de açúcar e 42 litros de etanol para cada tonelada de cana processada.

Localização das usinas de açúcar e bioetanol no Brasil.

Localização das usinas de açúcar e bioetanol no Brasil. Fonte: CTC – NIPE (2005)

A figura apresenta a localização das usinas do país, com nítida concentração na Zona da Mata, na região Nordeste, e no estado de São Paulo, na região Sudeste, em destaque. Em geral, as áreas de cultivo da cana-de-açúcar localizam-se num raio de 25 km das usinas, em média, por motivos relacionados ao custo do transporte.

Merece destaque o estado de São Paulo, que produz próximo de 60% de toda a cana, açúcar e etanol do país. O segundo maior produtor é o estado do Paraná, com 8% da cana moída no Brasil.

Produção de cana-de-açúcar pelo mundo

A cana-de-açúcar é uma das principais culturas do mundo, cultivada em mais de 100 países, e representa uma importante fonte de mão de obra no meio rural nesses países. Apesar desta difusão mundial, cerca de 80% da produção do planeta estão concentradas em dez países, como mostra a tabela.

PaísÁrea colhida (10 ha)>Produção (10 t)% Área colhidaProdutividade (t/ha)
Brasil 6,153 455,3 30,2 74,0
Índia 4,200 281,2 20,6 67,0
China 1,220 100,7 6,0 82,5
México 0,668 50,6 3,3 75,7
Tailândia 0,936 47,7 4,6 51,0
Paquistão 0,907 44,7 4,6 51,0
Colômbia 0,426 39,8 2,1 93,4
Austrália 0,415 38,2 2,0 92,0
Indonésia 0,370 30,2 1,8 81,6
Estados Unidos 0,364 26,8 1,8 73,6
Outros 4,713 276,2 23,1 58,6
Total 20,372 1.391,4 100,0 68,3

Fonte: FAO, 2008

Observa-se que o Brasil e a Índia respondem, em conjunto, por pouco mais da metade da cana produzida mundialmente. Tal fato assume especial relevância quando se consideram possíveis expansões da produção de cana, principalmente pela grande diferença de modelos de produção agrícola consagrados no Brasil (concentrados em grandes produtores) e pela Índia (baseados em pequenos produtores).

Apesar da importância econômica da cana-de-açúcar, sua cultura representa muito pouco em termos de ocupação de área, quando comparada àquelas dedicadas à produção de grãos. A área colhida de cana-de-açúcar no mundo foi de aproximadamente 20,4 milhões de hectares em 2006, enquanto que a área colhida de soja foi de 93,0 milhões de hectares, de milho correspondeu a 144,4 milhões de hectares, de arroz, a 154,3 milhões de hectares e a área colhida de trigo foi de 216,1 milhões de hectares.

No Brasil, a cana-de-açúcar é a terceira cultura temporária em termos de ocupação de área, bem atrás da soja e de milho, como pode ser visto nesta outra tabela, devido, em particular, à excelente eficiência de conversão fotossintética da cana, que permite uma produtividade excepcional, em torno de 75 t/ha em média.

Participação da cana em relação à outras plantas cultivadas no Brasil

CulturaÁrea colhida (10 ha)Produção (10 t)% Área colhida*Produtividade
Soja 20,58 57,95 35,6 2,82
Milho 13,82 51,83 23,9 3,75
Cana-de-açúcar 6,69 515,83 11,6 77,10
Feijão 3,83 3,25 6,6 0,85
Arroz 2,90 11,05 5,0 3,81
Café 2,22 2,17 3,8 0,97
Mandioca 1,91 26,92 3,3 14,09
Trigo 1,85 4,09 3,2 2,21
Algodão herbáceo 1,12 4,09 1,9 3,65
Laranja 0,80 18,50 1,4 23,13
Outros 2,06 7,22 3,6 3,50
Total 57,78* não avaliado 100,0 —-

* O valor refere-se ao conjunto formado pelas 19 maiores culturas agrícolas do Brasil em termos da área colhida em 2007. Fonte: IBGE, 2008

Crescimento da produção no Brasil

A produção de cana no Brasil cresceu de forma acelerada após o estabelecimento do Proálcool, em novembro de 1975, passando de um patamar de pouco menos de 100 milhões de toneladas por ano para um novo patamar em torno de 220 milhões de toneladas por ano, em 1986/87. O cultivo da cana só voltou a crescer na safra 93/94, desta vez, motivado pelo aumento das exportações de açúcar. A partir daí, o crescimento da produção tem ocorrido de forma contínua (com exceção do período entre 1998 a 2001, quando houve uma queda gerada pela crise no setor). Com o sucesso dos veículos flex fuel, lançados no mercado nacional em 2003, a produção de cana-de-açúcar voltou a ter um crescimento acelerado, para atender ao aumento da demanda de álcool hidratado, se aproximando de 520 milhões de toneladas em 2007. A próxima figura mostra a evolução brasileira da produção de cana, açúcar e etanol.

Evolução da produção brasileira de cana, açúcar e etanol.

Evolução da produção brasileira de cana, açúcar e etanol. Fonte: IBGE, Unica (2008)

Esse incremento recente causado pelo aumento da demanda interna por álcool hidratado e expectativa de ampliação da exportação impulsionou a expansão de aproximadamente 100 novas unidades produtoras nos últimos anos, principalmente no oeste do estado de São Paulo e seu entorno, como se observa a seguir.

Localização das novas usinas previstas (em amarelo)

Localização das novas usinas previstas (em amarelo)